Vizinha Gostosa do Condomínio (parte 1)

Olá, sou Pedro, tenho 28 anos casado a 4 anos, moro em um condomínio de
apartamentos e fui surpreendido por uma vizinha, loira, atlética, 24 anos, 1,65, a famosa
magrinha gostosa.

Pois bem, tudo começou quando resolvi tomar um banho na piscina do condomínio, era
por volta das 11 da manhã de um sábado quando cheguei, tomei uma ducha, e pulei na
piscina, nesse horário geralmente tem poucas pessoas usando, por isso vou, ficar mais
reservado e dar umas braçadas com mais tranquilidade.
Em um dia desses, cheguei fiz todo o procedimento comum, tomei uma ducha, tirei o
short e fiquei de sunga e pulei na piscina, fui e voltei umas duas vezes nadando por toda
a piscina, quando parei lá estava ela, até então desconhecida, com um biquíni todo
preto, uma tatuagem que começava na coxa e pegava parte do bumbum e ia até acima
da linha do biquíni. Já achei estranho, nunca tinha a visto. Continuei meu nado.
Dei mais algumas braçadas e fui até minha toalha e onde estava minhas coisas, ao sair
ela estava se bronzeando, de bumbum pra cima deitada na cadeira ao lado da piscina, fui
até minha coisas, fiquei olhando discretamente para aquela visão de deuses, olhei
celular, descansei um pouco e voltei pro nado.
Fiz algumas apneias, quando me espanto é só um pulo na piscina, era ela, parecia cena
de filme, estava submerso e vi aquela sereia adentrando as águas, lindamente perfeita, já
comecei a imaginar besteira, mas tudo ainda muito imaginário, não sabia nada disso, sai
de dentro da água e fiquei na borda da piscina, ela deu algumas braçadas e logo voltou
pro bronze.
Resolvi sair, mergulhei até a borda oposta da piscina e sair, peguei a toalha me
enxuguei, pus o short e voltei pro apartamento, terminar meu artigo científico sobre
prisão em segunda instância, que está sendo bastante debatida ultimamente devido a
prisão do ex presidente, mas isso é irrelevante agora.
Cheguei tomei um banho e notei que minha esposa tinha saído, verifiquei as mensagens
e ela disse que ia ao shopping com sua irmã, e que o almoço estava pronto, ela voltava
antes das 5 da tarde. Respondi um ok, pois é bem melhor escrever quando ela não está
próximo, fico mais concentrado, e fui pegar meu short de dormir, o vesti e fui pro sofá,
liguei a central e deixei a porta aberta que era pra climatizar todo o pequeno
apartamento, voltei pra cozinha e pus meu almoço, um filé de frango, com verduras,
arroz, é um suco de laranja, meu preferido. Prato feito, fui comer na frente da TV.
Almocei, descansei um pouco no sofá, deu um sono, o sono após o almoço, pus
despertador para uma hora após o horário que estava, e fechei os olhos, quando ia
cochilando a discreta campainha tocou “tiiiiiiiiiiiiiiimmmmm” me assustei e me levantei
pra abrir, pensando, essa mulher esqueceu a chave no carro lá em baixo de novo, abrir a
porta sem perguntar e ao abrir, tomei um susto, a moça da piscina estava a minha frente,

com uma camiseta e um short pequeno, me escondi atrás da porta, pois estava só de
roupa de dormir, e ela já foi falando, nossas, desculpas,, mil desculpas, o assustei?
Falei que não, apenas estava tirando um cochilo
Ela então se apresenta
– oi, sou a Jéssica, sua nova vizinha do apartamento da frente, não queria incomodar
muito, mas já que lhe acordei você poderia me ajudar com um pouco de arroz, prometo
que amanhã lhe pago.
Sorrir e disse, claro, entre e sente-se irei buscar, ela me deu a vasilha que trouxe e eu
coloquei arroz dentro, quando estava voltando ao encontro dela na sala, percebi que ela
vidrou seu olhar no meu short, como é de dormir e estava sem cueca dava de ver o
balançar do negócio, ela ficou vermelha e disfarçou. Entreguei a vasilha e ela disse
– muito obrigado, é…. É…. É….
Eita, ia me esquecendo, Pedro, meu nome é Pedro.
– Pedro, muito obrigado, prometo que lhe pago.
Acompanhei ate a porta e quando ela virou as costas, após dizer tchau, vi novamente
aquele popozao, mas agora mais próximo, era ainda mais excitante. Fechei a porta e fui
fazer meu artigo, por que o sono passou.
Fiz o artigo, apresentei na faculdade que trabalho como professor universitário, foi
aceito para coordenação e publicado na revista semestral da faculdade.
Depois do acontecimento fiquei encucado, acordava cedo, ia correr, voltava, ia pro
trabalho, voltava, ia pra academia, voltava … Voltava… Nunca mais vi a Jéssica.
Passou três meses, findou o semestre, viajei para fora do país, curti a viagem muito com
minha esposa.
Voltemos, pois o novo semestre já ia começar, nos recompomos.
Voltemos para a rotina, minha esposa e empresária no ramo de viagens turísticas, sai
cedo de casa, e volta tarde, pois ela abre a loja e fecha, e trabalha em shopping, então
ela sai cedo de casa, vai pro shopping, faz academia dela lá, toma café, almoça e janta
pra lá, mas ela não é o foco, risos, voltemos pra nosso conto.
Fui pra faculdade, comprimento os amigos colegas, e fui surpreendido com um matéria
inicial, IED – INTRODUCAO AO ESTUDO DO DIREITO, sempre pedi essa matéria
pois eram os alunos novos que estavam na sala e era o melhor momento para expor
pensamentos novos, ver as mentes ainda crua sobre o direito e também molda-los
melhor, com uma visão mais atualizada do direito.
Peguei a lista, me espantei com 45 alunos, ri e falei a coordenação, por que só chega 25
a 30 alunos do meio para o fim, ela riu e disse que é assim mesmo, havia muita
desistência, que era minha missão mudar esse quadro.
Abri a sala, liguei os ar condicionados e sentei na mesa, fui verificar a ementa, primeiro
dia de aula somos obrigados a ler e explicar ementa, a coisa mais chata que já vi.

Começou a chegar o alunos, comprimentei os que consegui e vi que tinha esquecido da
água, falei com o aluno que estava na primeira cadeira que ia atrás da agua, voltaria em
instantes.
Voltei. Quando cheguei já estava na hora de começar a aula, me apresentei e falei qual
cadeira iria lecionar, quando estava na apresentação batem na porta, a porta tem uma
abertura no meio com um vidro transparente, olhei pra porta, e lá estava ela, Jéssica
minha vizinha, parei a aula fui atendê-la, abri a porta e já com uma piada falei: esse não
é o melhor lugar pra poder devolver o arroz. Ela riu e falou
– você que é o professor de IED?
Falei que sim,
Ela riu e falou,
– é vamos nos ver muito mais pois eu estou começando hoje, e minha primeira aula e
essa.
Na hora já me deu um tesão, imaginando o cosmo juntando as peças pra que tudo
acontecesse, mas tive que manter a postura, abrir a porta e mandei ela entrar.
Continuei Apresentação, falei sobre a ementa, perguntei se tinham dúvidas, e falei agora
que já estão todos aqui, vamos nos conhecer, pedi que falassem o nome é o motivo de
terem escolhido o curso de direito
Todos se apresentaram, até a Jéssica, que disse ter escolhido o curso pra poder ser
delegada, que era o sonho dela.
Terminei a aula e me despedi dos alunos e fui pra outra turma. Não tirava a Jéssica da
cabeça, e toda essa coincidência, vizinha, aluna, gostosa….
Terminei os expediente pela manhã fui pro almoço fiz meu expediente da tarde, e voltei
pra casa. Cheguei em casa banhei, comi uma fruta e fui pra academia, cheguei a esposa
já estava em casa, fui banhar e quando estava no banho ouvi a campainha tocou, mas
não dei muita bola, terminei o banho e fui pegar meu short de dormir quando escuto, só
vim devolver o favor que o seu Pedro me fez há um tempo atrás, viajei logo após, e
quando vim até vocês estava fechado, porteiro disse que tinha viajado, aí vi
movimentação e vim pagar… Era ela.
Fiquei com medo da reação da minha esposa, mas correu tudo bem, se apresentaram,
minha esposa ofereceu um suco mas ela recusou, deu o arroz e se despediu e votou pro
seu AP. Atento, assim que bateu a porta sai e falei quem era amor?
Minha esposa respondeu
– a vizinha, trouxe arroz, disse que você emprestou pra ela, que feio Pedro, a gente faz e
doar essas coisas quando se pedem,
Eu mais aliviado falei,
Mas não emprestei, ela disse que iria devolver sozinha.

Passou o caso é amanheceu, correu tudo normal, fora os olhares da Jéssica para mim,
ficava envergonhado, tinha duas aulas na semana na sala dela, segunda e quarta. Na
sexta eu estava saindo da faculdade, pois só tinha expediente até meio dia, ao sair da
faculdade avisto Jéssica saindo pela calçada, parei e falei,
Jéssica cuidado, não ande sozinha, seu carro está perto?
Ela olhou e falou, meu carro ficou na oficina, vim de carona, e vou a pé mesmo para
casa.
Eu prontamente ofereci carona, ela aceitou.
Entrou dentro do carro e fomos, perguntei se ela ia parar em algum lugar ou ia direto
pro condomínio, ela disse que direto pra casa.
Fomos pra casa, fomos conversando e curioso perguntei se ela morava só, ela disse
Não, moro com meu esposo, mas ele vive fora de casa, trabalha como representante da
empresa X, passa 15 dias fora e 5 em casa.
Uau, não sei se falei, mas me amarro em aventuras proibidas, até não saber que ela não
era casada, pensava nela sim, mas depois que disse que era casada, o tesão aumentou em
exponencial.
Retruquei e falei, nossa, seu marido tem coragem, deixar uma garota como você sozinha
em casa, não falando de você mas tem muitos garotos, e você sendo bonita assim chama
muita atenção.
Ela riu, agradeceu o elogio e disse, ele não liga muito pra isso.
Falei, você tem 15 ou 16 anos?
Ela riu e disse, que nada sou velha, tenho 24 anos
Eu fiz cara de espantado, e falei nossa, falei brincando, mas você é nova mesmo, estou
caducando nos meus 28 já….
Ela disse
Nada, o Sr. Esta inteiro, e ainda é mais novo que meu marido, ele tem 36 anos.
Fiquei louco com elogio e com a comparação com o marido podia não ser, mas vi como
uma carta branca.
Enfim, demorou uns 10 min essa conversa, o trânsito estava uma loucura, e eu fui
devagar mesmo, risos. Entramos no condomínio e subimos. Nos despedimos ao chegar
ao andar, ela foi para um lado e eu para outro.
Acordei cedo, fui correr dentro do condomínio, fui a padaria e comprei o café da manhã,
quando chego minha esposa está de mala arrumada, falei o que foi mulher, que
aconteceu:
Ela disse, ou amor, preciso ir na nossa filial na cidade Z, fica a 650km da nossa cidade,
pois houve uma pane no sistema e o frente e novo, vou ter que passar 9 a 10 dias pra lá,

você consegue se virar sozinho? Disse que sim, afinal eu comia a semana toda no
serviço mesmo, só finais de semana que ia mudar.
Eu falei tudo bem, e perguntei se ela queria tomar o café antes, ela disse que tomaria no
aeroporto.
Me deu um beijo se despediu e foi.
Tomei meu café, arrumei a cama, carro a casa, aspirei os tapetes, lavei as louças, e deu a
hora da minha natação.

Pus a sunga e fui pra piscina.
Já fui com pensamento na Jéssica, mas demorei mais que o normal mas ela não
apareceu. Subi, tomei um banho, pus um short e uma camiseta, e fui comprar comida,
pois nem eu mereço comer minha comida, é muito ruim…
Peguei a chave do carro, e sai, quando abrir a porta, lá estava ela, saindo também, nos
cumprimentamos e ela perguntou por minha esposa disse que minha saída esse horário é
justamente por isso, minha esposa viajou, tô indo comprar comida, e falei dos meus
dores cozinheiros nada agradáveis ela riu e perguntou
– mas ela demora
Disse, passará uns 10 dias disse que ia tentar voltar no domingo que vem.
Ela pensou alto e disse.
– quem sabe eu pago a carona com uma janta,
Eu nervoso e sem saber o que falar Resmunguei,
Seria uma boa, mas seu marido está aí não quero atrapalhar o tempo de vocês,
Ela riu e disse,
Calma, ele só apareceu hoje aqui pela manhã por que é caminho de outra cidade que ele
vai, passou só pra dizer um oi.
Falei, então ok.
Saímos e desde então não parei de pensar nisso, fui almoçar voltei e pensando nisso,
dormir após o almoço e acordei e fui ate a área de serviço, abrir a janela e liguei a
máquina de roupas, pra poder por as roupa íntimas e algumas meias e camisetas que
estavam sujas. Deixei lá e fui pra sala, planejei aulas da semana, demorou um pouco a
máquina apitou e fui desligar pra estender no varal de chão, quando chego lá olho pra
janela, Jéssica estava com uma blusinha de pijama com os peitos pontiagudos bem
empinados também na área de lazer, nossas janelas da área de lazer fica uns 3 metros de
distância de um pra outro, cumprimentei ela e já perguntei pelo jantar. Ela riu e disse, já
irei preparar, está de pé, mas em pé mesmo estavam aqueles seios, eiiiiiiiitaaaaaa….
Percebi que ela viu que eu secava os seios dela, disfarcei, dei uma desculpa e sai da
janela.

Passei a tarde toda pensando como seria esse jantar. Não aguentou ei fui pro banheiro
bater uma pensando nela, não dava pra suportar. Bati, me depilei logo após, já pensando
na possibilidade de logo a noite. Sai do banho quando foi por volta das 18:30 ela manda
um WhatsApp, “VENHA NORMAL, NÃO IREI ME VESTIR TODA PRA FICAR EM
CASA, ENTAO VENHA NORMAL, tá pronto as 19:00”. Numero era desconhecido
mas sabia que era ela. Respondi apenas “OK, TUDO BEM”.
Deu 18:55 toquei sua campainha, fui de short de pano, camiseta básica, é um chinelo de
dedo, demorou um pouco ela abre, não sei se foi de propósito mas ela estava de pijama,
e com aqueles seios pontudos quase pra furar a blusa do pijama. Fiquei atônito por
alguns segundos e brinquei pra quebrar o gelo, se soubesse que era noite do pijama teria
vindo naquele meu, ela disse
Falei pra vir normal, eu em casa sou normal assim de pijama. Entra e senta.
Entrei sentei no sofá e ela passou na minha frente, parecia uma miragem bunda
empinada, bem dividida no shortinho do pijama que dava de ver um pedaço de sua
tatuagem, seus seios pulando a cada passo que ela dava. Já estava louco, fiquei excitado
na hora.
Ela gritou da cozinha, já quer comer, eu pensei comigo mesmo, só se for você, mas
respondi sim….
Ela grita novamente pois venha,
Cheguei a mesa, tinha uma lasanha de frango aparentemente apetitosa, falei tá com cara
que está gostosa, ela riu e disse obrigada.
Comemos e conversamos muito. Até que chegamos ao ponto sobre casamento.
Falei pra ela que não sabia como ele aguentava, ficar longe do marido, pois eu estava
apenas a poucas horas “sozinho” e já estava louco.
Ela disse que teve que se acostumar, no começo demorou muito para se acostumar, mas
com o tempo foi se adaptando.
Disse que era uma vida muito perigosa, ai ela disse
– perigosa por que?
Sei lá, a gente fica “na seca” ai as tentações são maiores.
Com essa abertura ela também se abriu mais e ousou dizer,
– mas a gente tem nosso jeito de segurar as pontas com uns brinquedinhos e sorriu
Eu meio assustado, sorrir, e disse é mas nos homens sofremos no banheiro.
Ela riu e falou, mas é por que o sr. Quer, lá na faculdade vejo as meninas tudo doidas
falando sobre você, dizendo esperar apenas uma chance.
Eu atônito falei, serio? Nunca ouvi nada a respeito

Ela falou que sim, que chegou a pouco tempo e já viu muitas colegas falarem sobre o
assunto.
Fiquei me achando…
Terminamos a Janta, ela se levantou, e novamente a cada passo os seus seios pulavam
parecendo um orquestra sincronizada, ela notou que olhava seus seios, e somente sorriu.
Mais um avanço….
Tirou as coisas da mesa, e falou
– quer sobremesa?
Falei, eita, você quer me engordar mesmo em… sim, quero sim.
Senta no sofá que já levo.
Fui para a sala, sentei no sofá, e liguei a tv.
Ela chegou com um mouse de maracujá, e falou
– quer assistir uma série?
Falei que sim, mas serie era ruim que demorava, ela ironicamente falou
– está com pressa?
Eu respondi um “eiiiita”, não e retruquei, é que tem umas series com 300 episódios.
Ela disse que íamos apenas conversar, e ter um entretenimento.
Colocamos a série BLINDSPOST – acho que é assim que escreve.
Começamos a assistir, passou alguns capítulos e estava ficando tarde, conversamos
coisas bobas, da série.
Até que chegou uma parte de um beijo, e ela falou, do nada
– você já traiu sua esposa?
Eu fiquei boquiaberto e falei, até então não
E aproveitei, e você já?
– ela disse, nunca tive vontade até alguns dias atrás
Eu fiquei curioso e falei, nossa, e quem foi o felizardo
Ela começou a contar que tinha vindo morar aqui, e ficou mais sozinha pois não
conhecia ninguém, ai foi na piscina e viu um rapaz, nadando…
Eu na hora lembrei do dia que a vi a primeira vez, e falei conte mais
Ai eu o achei muito elegante e também muito bonito, mas como não o conhecia apenas
fiquei olhando, para minha sorte ele era também meu vizinho de apartamento…
Pronto, chegamos ao ponto, encurtei a história e fui logo ao ponto…

Hum… e o que você sentiu desejo de fazer com ele?
Ela riu e disse que era ruim de dizer as coisas, era boa fazendo…
Pronto, sinal verde.
Fui me aproximando dela, seus seios começaram a ficar muito excitado, como se
estivesse com frio.
Dei-lhe um beijo suculento e devagar, e já fui deitando ela sobre o sofá, ela disse
– sofá e muito apertado, vamos pro quarto.
E fomos nos beijando até o quarto, deitei ela lentamente sobre a cama, e comecei a
beija-la, e comecei a acaricia-la e aos poucos fomos nos despindo, tirei sua blusinha de
pijama e vi aqueles peitos que pareciam de uma mocinha de 15 anos. Aquela pele
bronzeada, aquele corpo sensual, aquele corpo atlético…. Já estava latejando…
Comecei a acariciar seus seios, ela começou a emitir uns sussurros e gemidos, e também
tirou minha camiseta, nessa hora já estava bem destacado no short de pano, ela olhou e
começou acariciar o meu membro.
Deitei ela e comecei a chupar seus seios e fui baixando, beijei sua barriga e fui
baixamdo, cheguei no seu short e na medida que ia descendo e beijando ia tirando…
Quando tirei o short, via bela visão de sua bucetinha, marcada pelo bronze,
depiladinha… não aguentei e comecei a chupa-la…. passou-se uns 5 minutos chupando e
acariciando ela, quando ela se levantou e bem safada falou, agora e minha vez, me
jogou pro lado e rancou meu short com minha cueca de uma vez só. O Membro pulou
pra fora como um animal que estava sendo liberto.
Olha olhou para o membro, e começou devagar a dar pequenos beijos e lambidas, das
bolas à cabeça, até que o abocanhou com tudo… deu umas chupadas gostosa, que quase
explodo de tesão… após alguns minutos ela começou a subir novamente e começamos a
nos encostar os corpos nu… quando perguntei suavemente se ela tinha, preservativo, ela
apenas esticou a mão e puxou uma gaveta do criado mudo e tirou uma caixa cheia e
falou
– essas dar?
Eu falei, só depende de você….
Sorrimos e nos beijamos…
Peguei o preservativo e enquanto coloquei, voltei a beijar ela e me posicionei entre suas
pernas, entre caricias, posicionei o membro na porta de sua bucetinha, que estava muito
úmida, fui penetrando devagar, e entrou, mesmo apertadinha, com muita facilidade,
devido a lubrificação dela está muito grande…
Começamos devagar, e fomos acelerando, ela começou a dar uns gemidos abafados, e
foi se soltando… ela me jogou pro lado e foi para cima de mim, posicionou o membro
com a mão na entrada da buça dela e foi sentando lentamente, até topar, e começou a
cavalgar… cena linda de se ver, eu estava louco de tesão e ela também, ficamos mais
alguns minutos nessa posição até que joguei ela para o lado e a pus de quatro, era uma

imagem dos sonhos, aquela buça apertadinha, com marcas de bronze, aquela bunda
perfeita lisinha, aberta para mim… tudo de bom, enfiei devagar até topar, e comecei a
acelerar até ela gemer de tesao e gozar… ela tremeu a perna e o corpo lentamente ao
gozar… foi espetacular, com isso eu coloquei com todas as forças e rapidez que pude,
até também gozar…
Desabamos para o lado na cama, cansados e fatigados de uma transa louca…
(Parte 2)
Passamos alguns minutos nos recuperando e ela foi pra o banheiro suíte, entrou e logo
após fui atrás dela, e já cheguei abraçando ela por traz, acariciando seus lindo seios e
nisso já estava latejando novamente, ela disse
– nossa você já está duro de novo?
Respondi que sim, ainda faltavam muitas camisinhas dentro daquela caixinha, ela riu,
começamos a nos pegar, dentro do banheiro debaixo do chuveiro, começou a esquentar
o negócio e quase fazemos sem camisinha, já estávamos esfregando na portinha de sua
buça, as vezes a cabeça dava uma penetrada mas tirava, não aguentei e a puxei para
cama novamente, pus a camisinha e fizemos novamente, só joguei ela na cama mais
ainda ficando com os pés no chão, a pus de quatro e começamos de novo, ela agora
mais solta começou a gemer mais alto, estava tudo muito louco, o som de me corpo
batendo na bunda dela estava estralando, e tanto que não conseguimos nem trocar de
posição com menos de 10 min gozemos juntos, ela desabou em cima da cama
novamente.
Descansamos e vi que já estava na hora de ir embora, tendo em vista que as luzes se
apagam e fica só as luzes dos sensores dos corredores, quando você se aproxima, a luz
se liga, quando se distancia ela se apaga, logo eu poderia ser visto, com mais
facilidade… ficamos nos beijando e tomamos mais um banho juntos e nos despedimos…
Fui pra casa mais não consegui dormir, pensando na loucura que fizemos.
Acordei no domingo depois das 9, exausto, tomei banho, me vesti e fui até a padaria
tomar um café.
Ela não falou nada o domingo todo, também fiquei calado. Não a vi nos corredores nem
pela janela.
Segunda fui para faculdade, e ela faltou na aula… e também não a vi durante o dia todo.
E foi assim até na quarta, quarta feira ela estava lá na aula. Ficou como se nada tivesse
acontecido, agiu naturalmente, e isso me deixou mais doido ainda por ela, dei a aula,
acabei meu expediente de quarta, a noite. Quando estava indo pra casa encontro ela no
corredor, trocamos apenas cumprimentos de boa noite e fomos cada um pro seu lado.
Banhei fui a academia, e quando voltei tomei um banho e vesti meu short de dormir.
Revisei a aula de quinta.
Por volta das 21:00h chegou a tão esperada mensagem.
” parece que não gostou da lasanha”

Respondi: “estava TUDO muito gostoso’
Ela riu e respondeu
“Estou indo pra piscina, se quiser dividir o vinho”
A circulação subiu, comecei a suar, pensei se iria ou não, e fiquei nesse empasse.
Resolvi ir, pus a sunga, vestir um short e peguei a toalha.
Chego lá, lá estava ela, a beira da piscina, apenas com a cabeça do lado de fora, as luzes
da piscina estavam apagadas apenas a do salão estava ligada, deixando como se fosse
um luar. Tomei banho no chuveiro e entrei na piscina. Fui até ela e falei, ainda tem
sonho? Ela respondeu
– sempre.
Me serviu uma taça de vinho, conversamos sobre os assuntos mas eu estava muito
receio por causa dos vizinhos, perguntei se ela também não estava, ela disse,
– do jeito que estamos, sem claridade e quase impossível nos ver, se fosse o contrário
não estria aqui.
Não me acalmou muito, mas continuei lá, estávamos tratando como se fossemos apenas
conhecido, como se nada tivesse acontecido, até que ela falou vou dar um mergulho,
falei, tudo bem.
Ela mergulhou quando penso que não só sinto minha cueca descendo…
Loucura, ela mergulhou tirou minha cueca e estava me chupando, olhei para os lados,
tentei puxar ela até que consegui, ela saiu sorrindo e disse
– o que foi?
Falei
– você está doida? E se alguém nos pega?
Ela respondeu
– gosto de aventuras, adrenalina, perigo. Vou mergulhar de novo, fica quieto, rum…
E foi ela mergulhou de novo, aquilo tudo acontecendo e mesmo assim o tesão me
consumindo, estava latejando de tão duro, ela me chupou, intercalava para respirar,
mergulhava uns 10 segundos e saia depois mergulhava de novo…
Até que ela falou:
– Vamos fazer aqui dentro?
Eu respondi,
– como? você realmente pirou. Sem chances não podemos arriscar tanto.
Ela disse
– ninguém irá nos ver, prometo.

Disse
– sem chances, quase impossível, e não tem como colocarmos preservativo na agua, ele
irá estourar…
Ela disse
– quem disse que precisa de preservativo? Eu tomo remédio e tenho cistos, risco quase 0
de engravidar, e é só não terminar dentro, para garantir…
Não, falei três vezes seguidas
Ela retrucou com um golpe de mestre
– se fizermos você ganha um presente especial.
Perguntei qual seria esse presente,
Ela disse que seria surpresa, teria que acreditar nela, apenas adiantaria que eu iria
gostar.
Falei que pensaria no caso se falasse qual seria o presente, ela disse que só falaria se
fizesse.
Meio desajeitado falei
– Como faremos?
Ela sorriu, e puxou de dentro da piscina sua parte de baixo do biquíni
Novamente eu olhei para os lados com medo de estarmos sendo vistos, mas não
conseguia ver nada.
Ela falou venha até aqui… e me levou para a parte mais rasa da piscina que poderia ficar
sentado e não cobria o rosto com a agua,
Mandou eu me sentar, tirar o membro pra fora e fingir que estávamos bebendo vinho e
conversando naturalmente.
Tentei, quando penso que não ela sentou, pensei que ia arder devido a agua não deixar a
buça bem lubrificadinha, mas me enganei, na verdade nunca tinha feito tamanha
loucura.
Ela fazia o movimento bem devagar, mas o perigo junto com a adrenalina dar muito
tesão, estava a ponto de estourar de tanto que latejava.
Passamos por volta de 15 a 20 min ela quicando devagar, e tentando conversar sobre
algum assunto, outra coisa que achei super difícil, mas conseguimos, ingeri mais um
pouco de vinho pra ver se dava uma ajuda, na hora de gozar, abrir os olhos rápido com
cara de susto, ela sorriu e saiu de cima, jorrou gozo pela piscina.
Me contive, repus a sunga, e disse, chega de aventuras por hoje né?
Ela sorriu e você não vai querer seu presente?
Ai eu disse

– já tinha me esquecido devido tudo isso, sim. Qual e o meu presente.
Vou lhe dar quando você chegar no meu apartamento daqui 30 min, pode ir na frente.
Daqui 30 min abra a porta do meu apartamento.
La estava eu, em mais um joguinho de adolescência, mas já estava no jogo, vamos
participar a fundo.
Saímos da piscina já era por volta das 23:00, horário chato, pois e justamente esse
horário que fica apenas as luzes de presença ficam ligadas, assim chama muita atenção,
mas.. Fui pro meu ap, tomei um banho, vesti uma roupa casual, short e camiseta.
Esperei dar os 30 min, e fui, sai e fui direto abrir o a porta do AP dela, estava aberta,
entrei ela estava em um “baby dool” estilo vestidinho, bem transparente, cor vermelha,
sem calcinha e sem sutiã… parecia uma alucinação, uma deusa da sedução.
Fechei a porta, passei a chave duas vezes para garantir.
Já fui ao seu encontro com o membro duro feito pedra, lhe agarrei e falei:
– qual vai ser meu presente?
Ela riu e disse
– soube que você sempre quis entrar em outro buraco
Isso mesmo, ela queria fazer anal, nunca tinha feito com nenhuma das minhas parceiras,
fui a loucura
Com a notícia levantei ela, ela se “escanchou” em mim, e a levei até seu quarto, já sabia
o caminho…
Começamos nos chupando, a chupei bem, ela já estava bem lubrificada, ai pus a
camisinha, e a penetrei, na vagina mesmo, pra começar, estávamos no envolvimento
quando ela disse
– vamos tentar?
Falei, podemos sim…
Ela disse
– tem um lubrificante bem ai nesse criado mudo, pega ele e já pode começar…
A cara que ela fez foi a melhor, nunca tive essas loucuras sexuais, piscina, trair… estava
sendo tudo muito novo para mim, e agora Anal.
Fui lá, coloquei ela de quarto, passei nela, passei em mim por cima da camisinha, e
comecei a pressionar, ela gritava de dor, mordia o travesseiro mas não entrava…
Já estava me sentindo mau, ela disse
– não para, tenta mais
Apliquei mais lubrificante e fui para mais tentativas,
Até que entrou a cabeça e ela soltou um grito… me espantei que tirei…

Ela disse,
– nossa, doeu, mas quando está dentro e muito bom, põe de novo
Coloquei mais lubrificante e fomos, dessa vez já foi mais fácil, já entrou com mais
facilidade, fui a penetrando com calma, até que coloquei todo e tirava um pouco e
colocava, e vi que o movimento já estava acostumado e comecei a acelerar… ficamos
uns 10 min nessa posição quando ela falou,
– pra melhorar pega um brinquedo rosa que tem na minha gaveta,
Fui até a gaveta e peguei um vibrador rosa, pequeno, mas tremia muito, entreguei pra
ela, ela ligou e inseriu em sua buça linda…
Ficou de lado e falou
– vamos voltar?
Lubrifiquei mais uma vez e posicionei, já estava tudo mais fácil, só que agora ela gemia
muito, estava com muito tesão, vibrador na sua bucetinha e eu na sua rabeta.
Não demorou muito ela começou a se tremer, gozou…
Demorou pouco também, gozei….
Estava exausto, mas bem feliz.
Depois disso tivemos ainda uma na garagem, mas fica para uma próxima.

Deixe um comentário

Esconder
Mostrar