Fui corno

Eu e Letícia, somos casados há nove anos. Hoje eu tenho 42 anos de idade, ela tem 36. Ela é uma loira bonita, simpática, doce, corpo bonseado e torneado, alegre e de bem com a vida. Sempre levamos uma vida social agradável, pois sempre viajamos para outras cidades, curtir finais de semana, etc. Eu sempre usei óculos escuro e sempre observava que rapazes e outros homens a comiam com os olhos de baixo em cima. Para mim, até era um lisonjeio estar ao lado de uma mulher que todos cobiçavam. Vez ou outra quando a gente estava em hotel, vendo os homens até piscando para ela, eu me exitava e a pegava pela mão corríamos para a cama, onde eu mesmo a despia e ao ver aquele monumento peladinha na minha frente, não pensava duas vezes, caía de boca na chaninha raspadinha e lisinha dela e, mamava seu clítoris até ela começar a gritar e fechar as pernas de tanto gozo.
Agora que vem a história: Passados uns tempos, ela me confessou que tinha uma fantasia sexual, de transar com outro homem na minha presença. Fiquei uns quinze dias, sem conversar com ela e meu pênis amoleceu de vez. Eu lembrava das palavras dela, pedindo outro homem, eu não acreditava. Eu não conseguia dormir à noite, trabalhava mal durante o dia, só em pensar ela nos braços de outro cara.
Passados mais alguns dias, eu meio com raiva, ela me beijou e disse: aceita vai… você vai ver como é gostoso. Disse a ela, você vai me por chifres, pela primeira vez em quase vinte dias, meu pênis endureceu, eu quis transar, ela não aceitou e me disse, só transo com você agora se você aceitar que eu arranje um amante. Ela se despiu mostrando aquele corpo lindo, eu não aguentei e fiz como das outras vezes. Coloquei ela de bruços e enfiei a língua no anus dela e com a mão eu massageava seu clítoris, quando ela ameaçou de gozar eu virei-a de costas e fui de boca naquela buceta linda dela, e recebi e engoli todo aquele mel delicioso.
Ela me perguntou ! Gostou ? Eu disse: mais eu não gozei ainda, ela me disse: vire de costas, vou bater para você uma punheta e, assim gozei me lambuzando de esperma pela barriga toda.
Ela voltou a carga. E aquilo que lhe pedi ? Transar com outro na sua frente ? Eu disse: Está liberada, mais vê se acha um cara de boa aparência que demonstre ter grana, bom automóvel, simpático e que seja carinhoso com você e que, evite lhe fazer carícias na minha frente, possa que eu fique morrendo de ciumes.
Já no outro dia à tarde, ela me ligou dizendo: encontrei um rapaz, a hora que você chegar em casa, te passo os detalhes.
Fiquei amuado e pensativo, vou ser corno manso, vou ter que dividir aquele avião com outro, e se ela apaixonar-se por ele. Vou perdê-la.
Por volta das 18h00 cheguei em minha casa, ela estava toda irradiante. Me contou todos os detalhes do seu novo galã. Quase caí da poltrona quando ela me disse: Ele vem aqui em nossa casa hoje ! Eu disse mais aqui ? Ela me disse o que que tem demais, vamos conviver juntos mesmo….quando ela disse isso, meu pênis ficou uma pedra de duro. Vinte e trinta horas o Cláudio chegou me cumprimentou dizendo, você tem uma linda mulher. Disse-lhe obrigado.
Ele e ela na minha frente se uniram num beijo de língua, fiquei desmontado. Em seguida ele tirou a camiseta dela, no que ela já estava sem sutiã, e começou a sugar aqueles lindos peitinhos que eu achava que era só meu. Aos poucos ele tirou toda roupa dela e, deitou-a no sofá e foi de língua direto na grutinha dela… ela gemia e falava palavas desconexas e a seguir falou: que delícia estou gozando, aí que gostoso estou gozando, soca forte amor, a seguir ele também falou: não aquento mais…vou gozar e aumentou a respiração. Foram para o banheiro, tomaram uma ducha e foram para nossa suite, se agarraram de novamente, tudo sem preservativos sem nada e ele colocou aquele pênis, bem maior que o meu no rabinho dela.. pô eu nunca tinha feito isso. Ele com a mão direita foi massageando a grutinha dela, ela gemendo ele também, logo gozaram novamente.
Como estava muito calor, aproveitei que eles estavam nus na minha frente, e tirei a roupa também, não me importando que o cacete dele era maior que o meu. Peguei uma estátua que estava no corredor de casa e comecei a fazer amor com ela, rolando no tapete de todos os jeitos e gozei também.
Daí foi dado uma pausa e começamos a conversar, foi aí que fiquei sabendo que os dois já estavam juntos há mais de seis meses. Ele é separado, tem uma indústria de plásticos, um automóvel BMW, sítio, casa na praia, apto no Rio de Janeiro, enfim, o rapaz é bom de bolso, só me disse que, todas as vezes que eles saírem, me levarão junto e que vai me levar para ser gerente da indústria dele.
Assim, foi melhor, eu era corno e não sabia, agora, sou corno manso, passei a gostar de ver minha esposa gozando no pau dele, enquanto eu me divirto com minha estátua ou me masturbando.
Quando os dois estão juntos, o tratamento deles de um para o outro é: amor pra cá, amor pra lá, beijos a todos os instantes, me tornei corno e cafetão.
Única coisa que atrapalhou é que ela não deixa eu penetrá-la, só deixa eu fazer oral e enquanto eu faço oral ela me masturba.
Ela até já me disse: que se eu achar ruim assim, ela vai embora, vai morar num hotel, pois o Cláudio, paga tudo, com isto; é preferível ser corno manso e cafetão, mais ter vez ou outra uma buceta para poder chupar, isso quando ela deixa., porque muitas vezes ela não deixa.

Deixe um comentário