A perfumaria

A missão dele não seria muito fácil, teria que ir até a perfumaria e comprar tintura de cabelo para uma amiga.

Como jamais havia realizado esse tipo de negócio, ele guardou o print no celular e dirigiu-se até o local.

Já era tarde, quase 20:00 horas e a loja estava quase fechando. Conseguiu convencer o segurança que precisava pegar um produto “rapidinho” e que não demoraria mais que dois minutos.

Enquanto ele conversava com o segurança, se aproximou uma moça, daquelas bem arretadas, morena, cheinha, com uns coxões lindos e grossos, sendo que em um deles estava desenhada uma âncora grande e vistosa. Cabelos curtos, olhos negros.

Não posso negar, não era um primor de mulher, mas a safadeza dela era nítida. E quando o homem está na seca, é alguém assim que ele mais quer.

Assim que superou o segurança, ele entrou no estabelecimento, havia uma fila considerável no caixa, algumas atendentes conversando em um canto e algumas luzes já apagadas.

Ele estava caminhando, quando foi abordado por uma baixinha de cabelos ruivos.

“Em que posso ajudar”, disse a moça. Essa já era bem ajeitada, baixinha, bundudinha, seios fartos, olhos negros.

Ele falou o que procurava e ela foi buscar os produtos. Ele ficou observando a moça e passou a imaginar como seria bom poder fodê-la.

Ela retornou e entregou os produtos, acompanhando-o até a fila no caixa.

Enquanto ele aguardava, percebeu que ela estava olhando para ele com muita frequência. Pelos cochichos das amigas dela, ele “já ganhou a fita”. Sabia que estava com ibope.

Assim, Ivan efetivou o pagamento da tintura e dirigiu-se até seu veículo. Ligou o carro e foi embora.

Mas, quando chegou ao semáforo, percebeu que havia esquecido os produtos no balcão, fez o retorno e encontrou a loja com as portas fechadas.

Entendendo que havia perdido o produto, Ivan estava novamente fazendo o retorno, quando avistou alguém acenando-lhe, era a vendedora.

Ele parou o carro, abriu a janela do veículo e deu a devida atenção para a vendedora.

Na verdade, Aline queria entregar o pacote, ela percebeu que ele havia esquecido e tentou ir atrás, mas havia sido tarde.

Ivan ficou grato e se aproveitou da oportunidade para oferecer uma carona à Aline. Ato contínuo, a moça aceitou imediatamente, mas afirmou que estava acompanhada de Carla.

Você se lembra, a morena que Ivan avistou na porta da loja?

Assim, o rapaz achou que não teria oportunidade de avançar qualquer sinal com Aline, mas concordou em levá-las ao destino.

No carro, Aline se mostrava disposta à algum eventual “happy hour”, elogiava Ivan, o terno, como ele dirigia, como o carro estava limpo, etc.

Aline realmente tentava seduzir Ivan.

Então, não tendo mais como se conter, Ivan acabou falando expressamente que deixaria Sheila na casa dela para que os dois fossem beber uma cerveja.

Surpreendentemente, Aline se voltou para a amiga e perguntou, já afirmando:

“Imagina, você pode ir com a gente”.

Sheila concordou e ainda adicionou que a noite poderia ser interessante.

Aline, então, avançou qualquer limite de bom comportamento, e passou a morder e chupar o pescoço de Ivan.

Na mesma hora, Ivan colocou as mãos nas pernas de Aline, apertando-a na coxa. Ela sussurrou no ouvido dele:

– Seu puto, safado.

Isso fez com que Ivan ficasse com o pau duro, querendo pular para fora da calça.

Aline afrouxou a gravata de Ivan, abriu a camisa e chupou o mamilo do rapaz que já estava em êxtase.

Ivan colocou as mãos para trás e passou a acariciar as pernas de Sheila.

Não demorou muito e Aline desceu com a cabeça até o colo de Ivan, colocou o membro dele para fora e o abocanhou.

Sugava todo o pau grosso e cumprido. Ficou de quatro no banco do passageiro, arrebitando a bunda, abaixou a própria calça, revelando o que a calça já mostrava, a calcinha fio dental vermelho, que deixava a bunda de Aline uma delícia.

Aline chupou Ivan até que ele gozasse na boca dela.

Assim que recebeu o leite quente, Aline puxou a amiga e a beijou na boca, dividindo todo o esperma de Ivan.

Ivan era insaciável, entrou no Motel.

Mal subiram ao quarto, e o trio não perdeu tempo.

Aline beijava Ivan na boca, se jogou na cama puxando-o contra si. Sheila deitou-se ao lado e passou a acariciar a amiga.

Ivan retirou toda a roupa de Sheila e passou a chupar a buceta de menina. Enquanto isso, ia recebendo um prazeroso boquete de Aline.

Aline estava depravada.

Em seguida, Ivan meteu em Sheila que estava deitada na cama. Enquanto fodia gostoso, recebia deliciosos beijos de Aline. Na boca, no peito, no pescoço.

Depois, Aline se deitou na cama e, enquanto Ivan metia, passou a chupar a buceta de Sheila.

Não demorou muito e Sheila ficou de quatro, Ivan preparou o cuzinho dela, com os dedos, cuspindo, para, enfim, enfiar o pau naquele rabinho delicioso. Sheila uivava de prazer. Rebolava.

Enquanto isso, Aline continuava chupando a buceta da amiga, até que sentiu o doce mel da amiga.

Ivan queria continuar metendo até gozar, mas foi surpreendido por uma tara de Aline: a moça tentou lhe fazer um fio terra.

O rapaz não pôde negar, sentiu um prazer, mas, por machismo, impediu.

Assim, colocou Aline de quatro e começou a fodê-la gostoso.

Já estava prestes a gozar, quando Aline saiu debaixo e, junto com Sheila, passou a mamar a pica de Ivan.

As moças alternavam engolidas do pau, lambidas na cabeça e saco. De vez em quando ainda se beijavam, enquanto punhetavam Ivan.

Percebendo que o rapaz estava muito excitado, Aline começou a dar tapas na bunda do rapaz, que aceitou.

Então, percebeu que era a hora, molhou os dedos na boca e enfiou o dedo médio em Ivan que, instantaneamente, retribuiu com seu leite na boca das duas amigas.

Ivan ficou constrangido por ter levado o fio terra, mas, no fundo, havia gostado.

Aquelas duas metiam como ninguém.

O rapaz achou que talvez aquela havia sido a foda mais gostosa da sua vida.

O trio repetiu a dose por várias vezes.

Deixe um comentário