Minha sogra gostosa

Minha sogra gostosa

Eu tinha perto de 25 anos, minha namorada na época era um pouco mais jovem e a mãe dela estava perto dos 50 anos. Ambas são bonitas, minha sogra estava um pouco acima do peso e minha namorada por outro lado sempre foi magra, com pouco seio, mas uma bela bunda, herança da mãe dela.

No entanto, minha sogra é bem peituda e tinha pernas maravilhosas. Estava solteira a bastante tempo, mas sempre aparecia com algum namorado.

No começo sempre a olhei com muito respeito. Porém, com o tempo passando e a intimidade aumentando as coisas mudaram.

Vez ou outra tínhamos alguns papos mais abertos e minha sogra se mostrava uma mulher sem medo de falar de sexo, posições, experiências e as vezes até deixava a filha dela sem graça pelo teor das conversas.

Conforme os papos esquentavam, eu começava a ficar com tesão e imaginava certas situações. Guardei tudo isso comigo, mas confesso que algumas vezes me peguei utilizando a imaginação com esta mulher.

Já com algum tempo de namoro, comecei a dormir na casa da minha namorada. Era uma casa humilde, quarto, sala e cozinha. Ela e a mãe dela dormiam no mesmo quarto, duas camas de solteiro e nestes dias eu dormia na mesma cama que minha namorada. Por mais que a temperatura subisse, era difícil fazer algo com a sogra na cama do lado.

Minha sogra utilizava roupas para dormir mais largas o que marcava os seus bicos dos seios e pior, durante a noite ela se descobria o que deixava parte daquela bunda exposta durante o sono pois, o babydoll era muito largo. Ficava morrendo de vontade chegar mais perto e não podia, por correr o risco de acordar ela ou minha namorada.

Em uma sexta-feira dormi na casa delas novamente pois havíamos pegado um cinema e chegamos bastante cansados. As duas trabalhavam no sábado, porém, neste em especial minha sogra tivera folga e perto das 06:00 a carona da minha namorada passou para pegá-la.

Eu levantei para ir embora junto com ela, mas estava morrendo de sono e antes de sair, minha namorada me convenceu (sem muito esforço) a ficar mais um pouco. Ao me despedir dela, estava voltando pra cama e cruzei com minha sogra indo para o banheiro.

Quase trombei com ela ao cruzar a porta e dei de cara com aqueles peitos com os bicos marcando a blusinha leve. Ao passar por ela, não resisti e dei uma olhada para trás para dar uma secada naquela bunda, com a poupinha exposta pelo pequeno shorts.

Lá se foi meu sono, fiquei louco de tesão e imaginando que só estávamos nós dois na casa naquele momento. Me controlei, voltei pra cama e fiquei fingindo estar dormindo para poder olhar ela voltar.

Não demorou muito e ela entrou no quarto que nem tinha porta, com a cara sonolenta e voltou a se deitar. Fiquei torcendo para ela não se cobrir para eu poder continuar secando aquele corpo de coroa gostosa. Infelizmente ela se cobriu.

Acabei caindo no sono novamente e quando abri os olhos, ela não estava mais na cama. Já era próximo das 08:00 e ouvi alguns barulhos vindos provavelmente da cozinha. O tesão voltou com tudo e ali eu decidi ser ousado para ver no que dava.

Descobri a perna direita, subi o shorts um pouco e desloquei meu pau, de modo que ficasse marcado explicitamente. Até a cabecinha ficou pra fora…rs – fiquei nesta posição torcendo para que ela entrasse e visse a cena. Em minha mente, se ela não gostasse eu não corria o risco de ser incriminado, e se ocorresse algo, estaria no lucro.

Foi rápido, em poucos minutos ouvi passos vindo em direção ao quarto. O coração acelerou e ao mesmo tempo meu pau ficou mais duro ainda. Não tive coragem de abrir os olhos, mas notei que ao entrar, por um instante, a passada parou. Logo depois, começou novamente e saiu do quarto.

Neste momento fiquei em dúvida se ela havia olhado algo ou não. Se tivesse visto, e não gostado não voltaria mais, ou a curiosidade falaria mais alto e logo voltaria. Acertei. Logo depois, ouço os passos dela novamente em direção ao quarto e desta vez vinham na direção da cama…

Parecia que ia infartar. Senti o lençol sendo colocado sobre mim e não pensei duas vezes, calma e dissimuladamente, fingi acordar naquele momento. Espreguicei e olhei para ela:

“Bom dia sogra!” – ela respondeu o bom dia, mas estava completamente vermelha e saiu do quarto sem falar mais nada.

Eu não podia levantar, pois meu pau estava duro como rocha e fiquei enrolando na cama. Ela entrou no quarto pela terceira vez, desta vez, para pegar roupas para se trocar e me perguntou ainda sem graça:

“Você quer um café?” – eu respondi que ela não precisava se incomodar que eu já iria levantar para não atrapalhar ela nos afazeres. Ela me respondeu que eu era de casa, pra ficar tranquilo.

Minha mente não parava de pensar perversidades e foi aí que tive a ideia de questionar se ela tinha cânfora em casa, o famoso “doutorzinho” – ela respondeu que sim e me questionou se eu estava com alguma dor. Falei que estava com muita dor na parte de trás do joelho.

Minha sogra já havia feito massagem em mim várias vezes. Ela pegou o potinho e pediu para eu mostrar onde era. Fiquei de lado e apontei aleatoriamente para trás da perna direita. Prontamente minha sogra começou a passar.

continua depois da publicidade

Da coxa pra cima, eu ainda estava coberto e eu disse em tom de brincadeira:

“Já que passou em uma, passa nas duas e aproveita pra fazer uma massagenzinha…”

E dei uma piscadinha para ela entender como brincadeira. Pra minha surpresa, ela topou:

“Ai, vou te contar viu, cada genro folgado que me arrumam…Se ajeita…”

– Deitei de barriga para baixo e ela fez a massagem respeitando o limite até o meio da coxa…e questionou:

“Pronto…tá melhor?” – Eu respondi: “Ah não neh, se vai fazer o serviço, tem que ser completo, faz na parte da frente tbm” e já fui virando.

Ela deu uma coçadinha na cabeça, mas começou a massagear e não conseguia disfarçar o olhar para o volume. Meu pau estava marcado abaixo do lençol, mas eu queria deixar explícito pra ela, então me arrisquei:

“Não é bem aí, pode subir um pouco mais” e ela foi subindo. Repeti isso 3 vezes, até que ela nao aguentou:

“Menino, se eu subir mais, vou acabar pegando onde não devo…” e riu discretamente.

“- Sogra, mas quem disse que vc nao deve?”

– Peguei mao dela e coloquei em cima do meu pau. Ela fez dois carinhos e tirou a mão e voltou para a coxa. O coração parecia que ia sair pela boca e o dela podia ver pulsando no pescoço. Mesmo assim, tomei coragem e coloquei o pau por baixo da cueca fazendo-o sair pelo short.

Mais uma vez pequei na mão dela, e direcionei para ele dizendo:

“Você que deixou ele assim”. Ela apenas comentou: “Nossa, que negócio quente”

– No toque dela, soltei um gemido de satisfação que aparentemente agradou, e ela continuou tocando nele com a mão direita enquanto a esquerda continuava fazendo movimento aleatórios em minha perna… até que ela trocou o leve toque e começou a passar a mão da cabeça até a base do meu pau.

Através dos gemidos baixinhos, eu indicava que estava gostando e ela continuou. Passou a bater uma espécie de punheta que só fazia o movimento de baixo pra cima, como se estivesse puxando o meu pau para ela…

Nesta altura, ela estava sentada na beirada da cama, muito ofegante. Puxei o meu pé e coloquei entre suas pernas. Minha sogra estava complemente molhada…

O tesão era tanto que em poucos movimentos comecei a gozar feito louco na mão dela, minha coxa, short, lençol, etc – tudo cheio de porra que ela me tirou…Uma delícia…

Ela limpava a mão em minha perna mesmo e não conseguia olhar na minha cara…

Muito cara de pau eu soltei: “Nossa, que mão maravilhosa você tem…”. Ela sem graça respondeu levantando da cama: “Você é maluco…” e saiu do quarto.

Este episódio rendeu muitas outras situações que em breve vou contar a vocês.

Deixe um comentário