Jéssica, a minha gostosa

Conheci Jéssica em em uma rede social, mandei para ela meu numero de celular secreto, aqueles que números secretos que todo homem deve ter. Mostrei para ela algumas fotos de quando eu malhava, acho que eram de dois anos atras, eu usava anabolizantes na época,mas emfim eu estava sarado e impressionei a moça.

Fiz uns vídeos e enviei para ela, e logo estávamos trocando mensagens de sacanagem, ela morava longe, no interior do estado do Rio de inicio ficávamos mais no telefone mesmo.

Depois de um tempo de mensagens resolvemos nos encontrar, ela pelo que dizia, parecia estar carente e doida para levar uma boa pirocada, mais uma dessas vadias precisando de pica. Peguei um carro emprestado com meu cunhado e fui ao encontro dela, marquei de pegar ela no trabalho e a levaria para ver um filme.

 

Quando a vi, não me impressionou tanto, era magra, um pouco alta, mas tinha uma boca enorme. Ela entrou no meu carro e eu a levei para o estacionamento do shopping e não fiz cerimonias, ali mesmo puxei os cabelos dela e dei um beijo de cinema. Ela ficou quente na hora, percebi que ela era dessas vadias que dão no primeiro encontro e coloquei meu pau pra fora e falei para ela chupar.

Forcei a piroca na goela dela enquanto puxava os seus cabelos, ela era cheirosa tinha se perfumado toda para mim.

Jéssica gemia como uma cadela, percebi que ela estava no ponto para o abate e então sugeri para esquecermos o filme e partir para o motel.

Ela topou na hora, saímos de lá eu com uma mão na xana dela, sentia que ela estava molhadinha. No motel, puxei os cabelos dela e coloquei a cadela para mamar de novo, novamente se contorcia como uma serpente, foi ai então que ela me disse :

_Me Bate cachorro!

Não exitei, dei um bom tapa na cara dela, deixando vermelha, pensei que tinha batido forte, foi quando ela me pediu mais.

Dei mais um bom tapa na cara dela, puxei os seus cabelos e joguei a piranha na cama. Coloquei ela de quatro e comecei a bater naquela bunda, branquinha, as marcas das minhas mãos estavam todas lá.

Então, ela era minha, eu disse:

_Você é minha vagabunda e vai fazer o que eu mandar.

Comecei a dedar aquela boceta molhada e deu vontade de chupar aquela xereca rosinha.

Coloquei ela na posição frango assado e comecei a chupar a xaninha dela,a puta começou a gemer muito, então novamente mandei mais um belo tapa na cara,para ela saber quem manda.

Ela sentiu meu tapa e tentou levantar, mas eu a forcei contra a cama, a cadela não falou nada , virou-se e ficou de quatro,bunda empinada.

Eu me ajeitei a minha caceta e comecei a bombar nela, puxava os cabelos dela e ela falava :

_Mais,Mais Robson, faz com força.

Eu enterrava até o talo e ela se contorcia como uma serpente, era muito gostoso.

Então, comecei a roçar, com meus dedos o grelo dela, eu sentia que ela estava gostando,e acabou gozando.

Eu como não tinha gozado ainda, virei Jéssica de frente na posição frango assado,coloquei minhas mãos no pescoço dela, não muito forte, mas de uma forma dominadora, para ela saber quem mandava ali.

Meti até gozar, foi ótimo, ela sentiu sono e cochilou até eu meter novamente e finalmente irmos para casa.

Nos encontramos mais algumas vezes, acho que já fui com ela a todos os motéis da cidade do Rio de Janeiro.

Em fim, é para isso que servem as redes sociais, viva ao face 😉

Deixe um comentário